Carência Afetiva

(Letícia Thompson)

A carência afetiva é um mal que atinge todas as faixas etárias, culturas e classes sociais. É pior que a gripe, que vem e vai embora, ou uma doença que mata de vez. É um mal que consome as pessoas devagarinho.

A indiferença da sociedade atual face aos problemas do mundo, faz com que as pessoas sintam-se sozinhas e carentes. Preferimos fechar os olhos ao que se passa ao nosso redor (e mesmo fora dele!) do que enfrentar a realidade da vida dos outros, dos seus problemas. Há cada vez mais pessoas solitárias enquanto a população cresce.

As pessoas têm sede de amor. O problema é que raramente querem ser fonte. E nessa engrenagem há muita gente infeliz. Então corre-se de um lado para o outro, alguns tentam achar compensação a nível profissional, outros em religiões, crenças e seitas.

A internet também faz parte desse mundo. Fecha-se aqui, procura-se amores, amizades e certezas de que alguma coisa ainda existe capaz de compensar a falta de afeto. E enganam-se. Engana-se os outros e a si mesmo.

Quando Jesus andou na terra, tenho certeza que não precisava de nada. Ele era auto-suficiente. Apesar disso, viveu tudo: Ele andou, trabalhou, se entristeceu, chorou, sentiu fome, angústia, dor, morreu e ressurgiu. E vivendo tudo isso, amou. Amou até o fim, até pedir perdão para os que o crucificaram. E tudo o que Ele viveu, foi para nos mostrar o exemplo. De nada serviria se Ele tivesse pregado e não vivido as próprias palavras. Como nós. Mais que falar, precisamos viver.

O dia que as pessoas compreenderem que a solução está dentro delas mesmas, então o mundo terá uma chance de sair desse caos.

Se você quer ser amado, ame!
Quer receber um sorriso? Sorria!
Quer receber e-mails? Mande!
Quer carinho? Dê ternura até não agüentar mais.
Quer atenção? Seja atencioso!

Talvez não funcione imediatamente. É um remédio que precisa de um tempo para começar a fazer efeito. Mas, quando você estiver curado interiormente, vai ser outra pessoa, de maneira tal que será impossível não receber de volta a felicidade que espalhou.

Temos a mania de querer comprar tudo. Mas muitas coisas da vida precisamos plantar, cuidar e colher com nossas próprias mãos. Nem tudo se vende e se compra e afeto faz parte dessas raras coisas.

Não amamos a Deus por que Ele nos amou primeiro? Então, vivamos de maneira que possamos ser os primeiros a dar afeto, amor, atenção. Sejamos os antídotos do ódio e da indiferença. Tudo o que virá após, será compensação. Estaremos contribuindo assim para uma sociedade mais humana, mais justa e mais equilibrada.

Anúncios

5 comentários em “Carência Afetiva

  1. Amiga querida!!

    Divina esta mensagem!!
    Hoje estou rodeada de pessoas , mas estou só, na minha tristeza.
    Amo a Deus sobre todas as coisas e estou me preparando para seguir o caminho q Ele me guiar.
    Desculpe-me, aproveito para lhe pedir perdão por tudo, por ñ ser tão presente, por exigir mais sem nada oferecer, me perdoa.
    Suas palavras me fizeram entender mta coisa, me entristeceu, mas compreendi a olhar na necessidade daquele q esta ao meu lado.

    Obrigada por tudo.
    Te amo e peço todos os dias p/ que Nosso Senhor olhe por vc

    Bjkas

    Karen

    Curtir

  2. Foi com muita atencao que li esta mensagem, e com muita forca pretendo seguir os conselhos que aqui estao. Eu me sinto muito so, e nao consigo mudar, a vida me machucou muito e eu nao confio no ser humano.Nem mesmo na propria familia eu tive compreensao.Hoje me sinto um pouco melhor, e quero encontrar pessoas que assim como eu, tambem querem dividir sinceridade e amizade.Quero viajar por este mundo com esses amigos que pretendo encontrar e sentir que eles fazem parte da minha existencia.Sera que isso e pedir muito para Deus?Se alguem ai estiver lendo esta mensagem e quiser se juntar a mim, por favor me escreva e seja como Deus quiser.

    Curtir

    1. Prezada Soraya Truzman
      Meu nome é Henrique Samet e sou Professor Doutor em História aposentado pela UFRJ.
      Preliminarmente gostaria de saber se tem vículos familiares com Bertha Asch, família Lindheimer (Stella e Armando) que viveram entre o século XIX e XX na cidade do Rio de Janeiro. Nos anúncios funerários dos Trzman a família Lindheimer aparece.
      Eu pesquiso, no caso, especificamente Stella Lindheimer, Nahon de solteira, para um livro sobre a comunidade judaica no Rio de Janeiro entre 1850 e 1920.
      Caso haja algum vínculo gostaria de continuar o contato e esclarecer detalhadamente a pesquisa.
      Atenciosamente

      Curtir

      1. Caro senhor Samet, foi com imensa surpresa que ví sua mensagem de um ano atraz.
        Infelizmente não posso lhe ajudar, nunca morei no Rio de Janeiro, Truzman é o sobre nome do meu ex esposo, judeu americano. Não tenho conhecimento de nenhum relativo de nomes com os quais o senhor procura. Desejo lhe boa sorte.

        Curtir

  3. Sou muito estranha, não sei pq os acontecimentos me deixaram assim e hj me sinto muito só. Não tento fazer amigos, moro só com a minha mãe, não tenho vida social. Mais Deus quiz assim!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s